KANCELAMENTO? – PenSHONmentos #015

Se você é um ser humano com um polegar opositor, com a capacidade de distinguir odores e/ou um tempo mínimo para passear por redes sociais, telejornais ou rodas de conversa, então sabe que a Karol Conká é o Thanos do universo BBB. E se você aí quer reforçar sua pseudointelectualidade afirmando que o Big Brother é pão e circo, tudo bem, mas saiba que quando a nossa realidade está sombria, nós optamos por passear em outra, seja em um livro, em filmes, em festas, em games ou em realitty shows. Qual é a sua?  Dito isso, vamos para o que realmente importa. 23 de Fevereiro de 2021, o dia do tombamento.

Falar sobre a cultura do cancelamento é chover no molhado. Eu mesmo, não tenho uma opinião formada sobre o assunto, pois entendo que há nele pontos positivos e pontos negativos. Porém, a volúpia e o excesso podem criar injustiças incorrigíveis, detonar a carreira de alguém por uma interpretação incorreta ou perceber que há um movimento mais agressivo com determinado perfil de artista coloca os próprios canceladores numa postura bem parecida com o cancelado. Por isso é necessário refletir diante dos rumos que o capítulo Jaque Patomba irá tomar.

Já sabemos que a Mamacita deixará de receber quase cinco milhões em patrocínio, eventos e possibilidades comerciais. Não que seja surpreendente o fato de um artista ser uma pessoa ruim, mas ver a corrosão de uma carreira ao vivo é algo novo para todos nós. Cineastas, atletas, comunicadores, youtubers já mostraram seu lado mais escroto e continuaram com seus seguidores e suas fontes de renda intactas. Porém, é diferente quando você é vigiado 24 horas por dia e uma simples edição se propõe a justificar o ódio percebido como comportamento social. Essa raiva nascida nos brasileiros tem como alvo a Karol do BBB ou a Karol Conká? Ou não há diferença entre as duas?

Perseguir pela internet, exigir que festivais tirem ela do line-up, gastar energia pra que ela seja eliminada da vida real, será um prato cheio para percebermos que os canceladores estão tão ruins quanto os cancelados. O BBB é um jogo, não me parece que há muito tempo para a redenção lá dentro, mas a vida é longa o suficiente para que os erros sejam percebidos e corrigidos. Karol precisa entender que ser “debochada” pode até soar legal na frente do espelho, mas quando você precisa viver em sociedade é mais legal ser empático, solidário ou compreensivo. A vida real é a vida real e por mais que o BBB seja baseada em George Orwell, o ideal é que o passado não precise ser um casco de tartaruga para ninguém que queira redenção.

Terminar esse texto sem a analogia com o refrão “Já que é pra tombar, tombei!” seria impossível, uma vez que o tombamento de Karol Conká será um episódio marcante da TV aberta brasileira. Porém, tombamento pode ser do verbo cair ou do verbo ser protegido pelo serviço público. Qual é o tombamento que a Karol merece? Ou melhor… nós temos o direito de escolher o que ela merece? Sendo bem sincero, eu prefiro nem tombar, me deixa só espiando que já tá de bom tamanho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s